Ir para o conteúdo

Prefeitura Municipal de São Manuel - SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Youtube
Rede Social Instagram
Galeria de Prefeitos
FRANCISCO MARTORELLI - 01/01/1898 a 31/12/1898

Jornal o Estado de São Paulo a bengala e o Charuto.

 

Descrever em palavras ainda com o compendio do resgate o que foi o cidadão Francisco Martorelli, me traz ao ápice de tentar entender um cidadão em várias faces, desvendar este homem fascinante é um desafio, portanto, ao que me sobra é o resgate de uma biografia fantástica de uma pessoa, inteligente, agente de várias atividades que no município de São Manuel expressou como poucos o espirito de luta e desenvolvimento de um local. Jornal o Estado de São Paulo a bengala e o charuto foram bens inseparáveis durante sua trajetória.

Martorella Francesco nasceu em Rivello na Itália, a 6 de julho de 1867, filho de Braz Martorella e Geronima Barone Martorella embarcou para o Brasil com 19 anos de idade chegando ao país em 22 de dezembro de 1886 em companhia de seus irmãos Vicente, Mansueto e Inês, aqui chegando abrasileirou seu nome para Francisco Martorelli, residiu por um período em Piracicaba onde trabalhou como caixeiro de uma loja que era da família de Prudente de Morais, logo mudou-se para São Manuel, o Jornal o Tempo em sua edição de 6 de outubro de 1957 descreve sua  personalidade dizendo: “ (...)culto e bom, por todos estimado.”. Martorelli logo se familiarizou com o local, integrando-se definitivamente a vida pública do município, onde exerceu em 1888 o cargo de intendente municipal, que é relativo a o de prefeito nos dias de hoje, nos anos de 1893 e 1894 exerceu o cargo de delegado de polícia, em 30 de agosto de 1895 foi eleito vereador.

Casou-se com Adelina de Almeida Barbosa em 27 de setembro de 1890 ela filha de Victorino José Barbosa e Adelaide Barbosa, faleceu em 9 de novembro de 1937, desta união nasceram os filhos:

Brás Martorelli, nascido em São Manuel em 11 de setembro de 1892, que foi agricultor e tesoureiro da Prefeitura Municipal, casou-se com Maria Alcântara Queiroz tendo os filhos Francisco, Braz e Marco Antônio;

Vitorino Martorelli, nascido em São Manuel em 13 de setembro de 1894, falecido no mesmo ano;

Francisco Martorelli, nascido em 05 de agosto de 1896, jornalista e comerciante, casou-se com Carolina Campos em 4 de julho de 1918 teve os filhos Antônio, Décio, Atílio, Maria Regina e Maria Helena;

Jerônimo Martorelli, nascido em São Manuel em 22 de outubro de 1898, professor da Escola Normal, casou-se em 9 de abril de 1921 com Isabel Blasi, tendo os filhos Clélia, Hugo e Odila;

Joaquim Martorelli, nascido em São Manuel em 16 de dezembro de 1906, funcionário público estadual, casou-se em 24 de janeiro de 1933 com Beatriz Spreranza, pais de Martha e Francisco Antônio;

Adelina Martorelli, nascida em São Manuel em 28 de janeiro de 1908, casou-se em 26 de junho de 1928 com Jeronimo Annicchino e tendo os filhos Leda, Norma e Youlanda.

Ainda o jornal Carioca A Notícia descreve o falecimento de sua filha Maria que pelos relatos deveria ser criança: “Finou-se em São Manuel do Paraiso a inocente Maria, filhinha do Senhor. Francisco Martorelli. ”.

Dentre suas múltiplas funções Francisco Martorelli, foi membro do Partido Constitucionalista, agente dos jornais paulistanos “O Pirralho” e “O Sacy”, durante sua vida se tornou o mais antigo agente correspondente do Jornal “O Estado de São Paulo”, foi barbeiro, joalheiro e relojoeiro dono do estabelecimento comercial denominado de “A Pendula Internacional” fundada em 1888, foi também representante do Consulado Italiano no Município de São Manuel, foi maestro da Banda Italiana em São Manuel, prestou relevantes serviços à comunidade doador dos relógios pertencentes a Igreja Matriz e também do prédio do Paço Municipal. Era maçom tendo inaugurado em São Manuel em 25 de junho de 1892 a Loja Maçônica América II.

Francisco Martorelli faleceu com 90 anos de idade na data de 2 de outubro de 1957 consumido pela diabetes. A consternação foi geral no município, algumas homenagens foram feitas, O prefeito da época senhor Antônio Dalaqua determinou que “fosse coberta sua urna mortuária com uma bandeira do município e decretando luto oficial por três dias. ”. O Jornal o Estado de São Paulo enviou o representante Rodrigo Soares de Oliveira para acompanhar o funeral em nome do jornal, este muito ligado também a família Martorelli. Em nome da Câmara Municipal falou o vereador Carlos Delgallo “(...) declarou no final que a Câmara Municipal de São Manuel, como iniciativa, e em primeiro plano, considerava o extinto, Cidadão Sãomanuelense, em virtude de ter o finado servido ao Município, em quase todos os postos públicos de relevância. ”. Também discursou o senhor Mansueto de Gregório, ex-presidente do Sindicato dos Cinematografistas e presidente honorário do Círculo Operário do Ipiranga de São Paulo, o Jornal o Tempo também mandou seu representante o senhor Bartholomeu Luiz Danziato. “O corpo do extinto foi trasladado para São Manuel, onde se realizou o enterro, as 10 horas do dia 3 no cemitério local. Dentro da mortuária, foi colocado um exemplar de “O Estado”.        

Um homem fascinante deste não poderia passar a margem da percepção da história, este trabalho traduz com alegria a elevação daquele que merece ser lembrado. Francisco Martorelli por si só é o exemplo vivo dos que se foram e deixaram um legado fantástico. O da construção.

 

Por Eduardo Ayres Delamonica

Seta
Versão do Sistema: 3.1.7 - 02/12/2021
Copyright Instar - 2006-2021. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia